Labuta

Algo que preciso compartilhar com vocês: pela primeira vez em toda a minha vida eu tirei notas baixas na faculdade. Foi bom abrir a página de notas na internet e levar aquele banho de água fria, porque eu tenho uma mania de querer abraçar o mundo, e às vezes não consigo. Não, eu não vou ser reprovada em matéria nenhuma. O tapa na cara de ter tido um desempenho ruim em alguma coisa me fez lembrar que, mesmo eu não sendo nenhuma Mulher Maravilha, eu faço esse monte de coisas porque gosto.

Eu gosto da minha faculdade, é que estudar de manhã quando a noite é o único espaço de tempo que você tem livre para escrever, organizar as ações de divulgação de seu livro, pesquisar esditoras, lembrar que você tem coisas pra fazer no trabalho no dia seguinte… é cruel. Eu não sou uma daquelas pessoas capazes de ir dormir à uma da manhã e acordar às 6h no dia seguinte e ficar bem. Fazer isso uma vez ou outra, vá lá, mas sempre?

Daí vez a catástrofe na faculdade. Ué, você não vai pra faculdade é claro que não vai saber do que se trata o assunto que cai na prova (embora eu soubesse muito bem, e as notas catastróficas tenham vindo porque negligenciei os trabalhos).

Mas o que isso interessa a vocês? É que a vida é muito curta para cometer todos os erros possíveis, então aprendam com os erros dos outros, no caso, o meu. Nós não somos máquinas. Trabalhar e estudar já é sacrificado, quanto mais estudar, trabalhar e ainda por cima ter projetos pessoais. A todos vocês que fazem isso, meus parabéns, porque não é fácil. Vocês já são muito melhores que certa figura política que não gosto muito de citar para não causar problemas.

MAS preciso confessar: quando estou na faculdade, eu amo estar lá, fico fascinada com o estudo de Publicidade. Muitas pessoas acham que é fácil, que qualquer um pode fazer, mas nada acontece com base no achismo. As ações publicitárias são friamente calculadas (e às vezes cometem erros porque não se faz cálculos precisos em Ciências Humanas – há sempre o fator mutante de 46 cromossos a considerar).

E, embora esteja cansada, quando chego na Análise (onde trabalho), eu gosto de estar trabalhando, de saber que vou ganhar o meu lindo salário de estagiária no fim do mês e vou pagar a minha faculdade. Não há nada mais digno que isso.

No trabalho tenho acesso livre às redes sociais, o que me possibilita fazer meu outro trabalho: relações públicas da Revista Fantástica, que é uma das atividades mais gratificantes que já realizei na vida. Nada mais libertador do que fazer algo que você gosta porque você quer e as pessoas ainda precisarem e gostarem desse trabalho. É incrível.

E a minha professora de Mídia disse que sou muito intensa com as coisas, que não me contento com o mediano. De tudo eu quero o máximo. Bom, deve ser verdade, e não consigo me imaginar vivendo de outro modo.

Tem o teatro às segundas-feiras, e é maravilhoso. Nunca antes eu imaginei que me veria ansiando pela próxima segunda. O fim de semana terminar dói menos agora eheheheh.

E, claro, o projeto da minha vida. Meu livro. Bom, não escondo de ninguém que eu escrevo que nem uma louca que mergulha em outra realidade, mas eu também coordeno as ações promocionais (que vão começar assim que alguma editora inteligente aceitar o meu livro e resolver publicá-lo), as pinturas que o namorado faz (a da Anna que mostrei e a que ele está fazendo agora são imagens promocionais; as do booktrailer virão depois), o storyboard do booktrailer, incluindo narração, imagens, vídeo, trilha sonora, e, claro, o site, que a diva Carolina Bachiega está fazendo para mim. UFA!

Aliás, olhem que impressionante o detalhe da luva do personagem em que o namorado está trabalhando:

Luva de ave de rapina

Haverá uma águia pescadora (aquela que os mortais chamam de águia americana, com a cabeça branca) pousada no braço dele, e esta é uma luva especial para que as garras da fofinha não façam um estrago no braço dele. Os dedos da luva são assim mesmo, parecendo mais curtos etc, mas é tudo questão de proteção. A foto de referência ficou no chinelo perto desse trabalho *.*

Por isso tenho andado caindo pelas tabelas e escrevi um post gigante, que não era intenção inicial, porque tenho dois artigos para escrever e não vai acontecer antes de segunda (fins de semana são dias de namorado e trabalho duro no livro).

Os próximos dois posts serão a continuação da narrativa detalhada sobre como foi o Papo Fantástica ao vivo, na Livraria Cultura do Market Place dia 16/10 às 18h (é pra encher a paciência mesmo, assim quem não foi nunca mais esquece a data hehehehe) e a resenha do livro Cira e o Velho, do Walter Tierno, que também colocarei no Skoob, claro.

Qual virá primeiro? Não sei, depende do meu humor e de qual os leitores pedirem. O que vocês querem?

Anúncios

3 pensamentos sobre “Labuta

  1. Impressionante, Carol.

    Sei exatamente como se sente, pois, afinal de contas, passo exatamente pela mesma situação. Sei como é tentar conciliar todas essas coisas e a todos os malabarismos aos nós somos obrigados a recorrer. É uma batalha penosa, mas prazerosa.

  2. Eu adiei vários projetos pessoais meus (inclusive o livro que será lançado em janeiro de 2011) por causa de “atividades necessárias” como as duas faculdades que fiz e um antigo trabalho que exigia muito de mim (trabalhava aos fins de semana e feriados). O que não deixava tempo para escrever. Quando estava “de folga” só queria saber de descansar e colocar o sono em dia.

    Hoje, com o término da minha segunda facul, ficou mais fácil. Trampo (só de segunda a sexta…amém!), academia e projetos pessoais.

    Apesar tentar curtir de tudo, nunca compreendi perfeitamente meus amigos que só pensam em baladas e fins de semana na cama de tão cansados. Acho que temos que ser produtivos.

    A vida passa em um estalar de dedos, por isso, temos que fazer o que mais gostamos e nos dá prazer. Na medida do possível, claro. Não dá pra se ter tudo o que deseja, mas ficar dormindo o dia todo não rola….kkk

    Agora, se essa vida produtiva que você leva chegou a te prejudicar na facul….reveja suas prioridades, Carol. Falta tanto tempo assim pra facul acabar. Talvez você pudesse se focar um pouco mais na facul e postergar um pouquinho um ou outro projeto pessoal.

    Bjs, força(!) e um excelente fim de semana.

  3. Força Carol!

    O que você já dá conta de fazer em tão pouco tempo já é maravilho, não precisa invejar ninguém! Eu que tenho inveja de você, já que não consigo fazer nem metade das coisas que você faz sem me desorganizar toda…

    Agora é só repensar os seus horários que estas notas baixas serão compensadas rapidinho!

    ^_~

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s