(Voz da Editora) Primeira novidade de 2013: Insolúsitos

Comentário básico: projeto foda que eu vi nascer. Morrendo de orgulho de ver sair.

(Voz da Editora) Primeira novidade de 2013: Insolúsitos.

Anúncios

Boas Novas Literárias (ao menos para mi

Faz quase três meses que não escrevo aqui no blog, e continuo com visualizações constantes numa média diária bem satisfatória para quem andou não escrevendo nada para cá.

Quero por as coisas em ordem.

Este semestre terminei a faculdade, entreguei TCC, fui aprovada com muitos elogios da banca e meus orientadores. Finalmente, depois dos anos de estudo, publicitária formada, e não apenas de fato.

Ou seja, nada de mais ausências da Revista FANTÁSTICA, como alguns de meus leitores devem ter notado no site deles. Eu realmente me afastei para não me comprometer com um trabalho sério que eu não poderia levar adiante junto com o TCC.

O artigo que vai marcar minha volta para a FANTÁSTICA será para a cobertura da FLIP 2012 (para quem não sabe, é a Festa Literária Internacional de Parati), que ocorre de 4 a 8 de julho.

Ontem, dia 16 de julho, foi o primeiro evento da Tarja Editorial comigo à frente da coordenação de Marketing e Comunicação deles, e foi muito gratificante. Propusemos um formato diferente de mesa redonda, na Casa das Rosas, das 15h às 17h: lemos trechos de alguns contos dos dois primeiros volumes, Vermelho e Laranja, em formato de leitura dramática, com atores diferentes para cada personagem lido, incluindo narrador. Então, a partir da leitura, era proposto para a mesa um tema para o debate, em que o público podia tomar participação e comentar, perguntar etc. Experiência maravilhosa, e esperamos colocar as fotos, vídeos e resenhas do evento no Facebook da Tarja o mais tardar amanhã.

Depois tivemos ainda a noite de autógrafos do Paradigmas Definitivos. Só quem já foi num evento para saber qual a graça de ir até o Pier 1327 conversar com a tchurma noite adentro.

Capa Paradigmas Definitivos

Capa Paradigmas Definitivos

Sábado, dia 23/06, das 17h30 às 19h30 haverá o lançamento oficial da Fantástica Literatura Queer – Volume Amarelo na Biblioteca Viriato Corrêa, no Sarau Literário Queer. Lá teremos mais discussão, leituras dramáticas, uma encenação de um dos contos (segredo qual é) e até música, com o autor César Marques. Ele vai cantar composições próprias e alguns clássicos (ouvi dizer que “I Want to Break Free”, do Queen, estaria na set list, mas isso pode ser só eu dando uma de linguaruda).

O Inevitável Apocalíptico Vírus Zumbi, composição original nerd de César Sinício Marques

Bom, posso dizer que estou adiantando um evento de lançamento para o livro da Alliah que sairá pela Tarja Editorial, O Mentafetaedro.  A menina é doida, e merece um lançamento à altura. Só o que posso dizer a respeito disso por enquanto.

Outra coisa: sei dos futuros lançamentos da Tarja, e estou tão encantada por eles que periga esquecer de dormir pensando no que fazer com eles.

Chega de Tarja (mesmo minha vida orbitando em torno da editora até então, e este fato me fazendo muito feliz). Dias 23 e 30 o grupo de teatro Berotechnics, da Cultura Inglesa Guarulhos, do qual faço parte, irá apresentar uma versão adaptada do musical Wicked no Cultura Inglesa Drama Festival, e eu gostaria de convidar quem estiver interessado para assistir.

Poster Musical Wicked Original

Poster Original do Musical “Wicked”

Além disso, pelo grupo de teatro Fora de Foco, do qual também faço parte, apresentaremos Orgulho e Preconceito no teatro Adamastor, em Guarulhos. É a mesma montagem que ficou em cartaz no teatro Cultura Inglesa Pinheiros, com casa cheia em todos os fins de semana de apresentação, que ocorreram durante o mês de julho de 2011. Ainda não temos data, mas assim que tiver divulgaremos. Só sei que será em julho. Eu interpreto a Mary Bennet e a Sra. Gardener.

Irmãs Bennet do elenco original

Irmãs Bennet do elenco original

E, finalmente, tenho um livro escrito, re-re-revisado, muito bem betado, e prontinho para submissões diversas. Enquanto isso, sigo com a pesquisa sobre Inquisição para meu próximo romance.

Ah, e tenho trabalhado num conto para a coletânea Livros, da Editora Estronho, que está com uma proposta incrível. Aqui está a chamada de submissões, para quem se interessar. O prazo é 1º de dezembro, então dá tempo, viu, galera. Eu sou um lixo de contista, e tenho que trabalhar muito para submeter uma história legal e bem escrita.

Eu me gosto mais como romancista, e muito se engana quem acha que é mais fácil escrever conto. Doce ilusão. Só porque tem gente que é melhor contista que romancista não significa que seja mais fácil.

Eu até tenho mais novidades, mas ainda está cedo. Eu logo logo vou contando coisas, conforme puder. Por ora, deixa eu voltar para “Damas do Século XII”, de Georges Duby, que a minha linda consultora histórica do projeto-Inquisição, Nikelen Witter, indicou como bibliografia.

Que Projetos Você Apoia?

Às vezes na vida agimos como espectadores de um grande show, às vezes tomamos as rédeas dos acontecimentos e os fazemos caminharem a nosso favor, ou ainda podemos nos engajar em alguma causa, ajudar algo em que acreditamos.

Sempre tive horror àquele tipo de vida que me faz lembrar um peixe no aquário: aquelas pessoas que se deixam levar, vivem uma vida pela metade – saem de casa, vão trabalhar, onde não desenvolvem nada especial, voltam, tomam banho, jantam, assistem ao jornal e à novela, apenas para fazer o mesmo no dia seguinte e no outro, até chegar o fim de semana. Quando chega, podem sair para o shopping ou para a igreja, ocasionalmente comem fora e compram coisas. Às vezes estão cansados e só ficam em casa.

E assim levam os dias até um feriado ou as férias, quando podem viajar ou não, e ainda assim a vida é um marasmo.

Se o bicho papão de Harry Potter aparecesse para mim, eu veria eu mesma existindo dessa forma. Acho que é a coisa mais horrorizante. Vida de peixe de aquário. Nadando de um lado para o outro, comendo, defecando e dormindo.

Mas, bem, o ser humano é uma coisinha complicada e provida de intelecto. Vida de peixe é um desperdício. Nosso medo da morte vem de um espelho da nossa vida; queremos encontrar um sentido, mas quem busca um sentido? Uma morte não tem sentindo (mas por que temê-la, se a sua vida não tiver?)

Entretanto, como em qualquer aspecto da vida, só nós mesmos podemos fazer algo a respeito; imbuir nossa existência de um significado especial, mesmo que para nós mesmos e para poucos que nos cercam.

Muitos sentem pena dos animais maltratados, mas quantos fazem algo a respeito? (e não venha me dizer que compartilhar imagens horríveis no Facebook, dando origem a correntes piores ainda, é fazer algo a respeito, porque NÃO É). Buscamos maneiras de fazer parecer que estamos engajados em alguma coisa sem levantar nossos traseiros do sofá.

Também não digo que precisamos viver nas ruas em nome da justiça social. Mas, por exemplo, pessoas que trabalham na igreja, de qualquer religião que seja, podem entrar em algum grupo de trabalho social, porque as igrejas naturalmente fazem trabalhos assim: alfabetização de adultos, crianças, idosos, doentes.

Ok, você não gosta dessas coisas. Ongs que cuidam de animais? Ongs do direito da mulher?

Ah, o País está uma merda. Legal, e o que VOCÊ faz para mudar isso? Qualquer um sabe que o maior problema, que dá origem a outros e impede que outros ainda sejam resolvidos? A Educação. Todo mundo sabe disso.

Mas o que eu posso fazer? Isso é problema com o governo.

Ok, começa votando direito. E não é problema do governo porra nenhuma. Se você ensinar seus filhos, sobrinhos etc a respeitar o professor, ensiná-los a usar bibliotecas municipais, incentivá-los a ler, já estará fazendo alguma coisa. E, por experiência própria, as boas influências numa sala de aula atraem a atenção de boa parte de outras crianças.

O que dizer, no entanto, de pais que sequer acompanham o que os filhos estão fazendo nas escolas? (escrevi um longo artigo sobre isso para a FANTÁSTICA).

Enfim, vida de peixe.

Há tantas milhares de coisas para se fazer, que se eu me estender aqui, posso escrever um tratado.

Óbvio que todo mundo tem o direito de preferir a vida de peixe. Só estou apontando, para caso alguém que me leia esteja infeliz com seu cotidiano, o que eu acho que dá sentido, ou empresta alguma forma de significado, à nossa curta passagem pela Terra.

Do Poder de um Diário, Livros Bons e Cliente de TCC

Hoje: porque recomendo escritores fazerem uso de um diário (aquela coisinha adolescente de que todo mundo debocha), últimos livros bons que li e por que são bons e meu adorado cliente de TCC.

 

Diário na Vida de um Escritor

Fazia anos que eu não tinha um diário. Um belo dia estava fazendo a limpa no meu armário de livros, coisas da faculdade e anotações baderneiras sobre meus livros e encontrei o últi. Abri aquele sorriso de lado que denunciava que aquela porcaria iria para o lixo, mas abri para ler. Fiquei impressionada de ler coisas que senti em determinadas situações de anos atrás.çao sei explicar o fascínio de ler experiências suas na visão de outra pessoa.

Outra pessoa?

É.

Porque, quando me lembro de certas coisas hoje em dia, dou risada, ou faço caretas de desgosto, mas são lembranças indefesas sendo destroçadas pela mente que tenho hoje, depois de muito tempo. Na época do diário, algo que para mim hoje é ridículo rivalizaria com uma tragédia de Shakespeare. O tempo mexe em coisas de dimensões astronômicas e as transforma em acontecimentos incômodos, ou risíveis. O passado só é completamente passado se for assim.

O diário Jane Austen é mini

Mas porque falei do diário na vida de um escritor? Porque enxergar o que eu era naqueles tempos me fez ter outra dimensão de mim mesma. Parece supercomplicado e superfilosófico, mas não é. É bobo e infantil, e por isso mesmo glorioso. Você vê as coisas de modo diferente e isso é um dos melhores materiais com que um escritor pode montar sua oficina de ideias intracraniana.

Aí alguns meses depois de minha descoberta (tipo, semana passada), fui na Livraria Cultura Arte do Conjunto Nacional, que tem aqueles caderninhos-fetiche de qualquer profissional da comunicação, dentre os quais Moleskines estão incluídos, mesmo não sendo os únicos, e fui fuças. Aqueles que tem quotes de autores consagrados sempre estiveram dentre os meus preferidos.

Peguei nas mãos um do Oscar Wilde, que tem a quote: “I never travel without my diary. One should always have something sensational to read in the train.” Em tradução livre: eu nunca viajo sem meu diário. Uma pessoa sempre deve ter algo sensacional para ler no trem. É, soa presunçoso, mas ele era o Oscar Wilde, então na verdade é apenas atestar o óbvio. Não peguei esse, porque meus olhos bateram no da Jane Austen: “Let other pens dwell on guilt and misery”. Eu fiquei olhando para aquela quote com cara de peixe morto durante alguns minutos. Como é possível uma frase tão curta resumir todos os sentimentos que eu tenho em relação a escrever? Em tradução LIVRE: “deixe que outras canetas discorram sobre culpa e tristeza”.

PARÊNTESE (você sabe que a tradução literal de cada palavra não condiz com o que eu escrevi? Você não é @ únic@. Tentei preservar o sentido da frase, embora eu não tenha chegado nem perto. Daria para escrever melhor? Provavelmente, mas existem milhares de formas para se traduzir essa frase, e o que prezo é que o leitor de língua portuguesa apenas consiga entender o que ela quis dizer).

O diário do Allan Poe tem quase o tamanho de um caderno pequeno

Dias depois comprei um maior, do Edgar Allan Poe, porque amo gênios, e separei: o da Jane Austen para tudo e o do Allan Poe para minhas cirações literárias. É que as criações literárias fazem parte de outro universo, que não deve ser misturado ao originalmente ‘real’ (embora possamos discutir opiniões divergentes outro dia).

Mas o que quero dizer: o diário do cotidiano um dia vai servir para eu me entender e entender uma época da minha vida de forma fria e analítica. O da criação tem uma fução BÁRBARA e MÁGICA. Quando começo a escrever sobre minhas ideias cruas, elas dançam na minha cabeça um ballet descoreografado e vão se colocar graciosamente no papel. Ideias novas aparecem quando a caneta risca folha, e as antigas tomam novas formas. De repente, eu compreendo o milagre da minha cabeça, mesmo que não em sua totalidade.

E se você é escritor e acha que só falei bobagem, ou nunca se entregou completamente ao seu diário, ou nunca nem começou um.

 

Livros que são tão Bons que me Comovem

Bom, minha cruzada para encontrar bons livros nacionais às vezes atropela muita coisa ruim, mas encontro pérolas que fazem meu coração acelerar e instantaneamente me apaixonar pelo autor, ainda que não o conheça pessoalmente, ou que conheça pouco.

Já tinha acontecido com o primor Cyber Brasiliana, de Richard Diegues, que foi o programa de estreia do Indicações Fantásticas. Depois, aconteceu com Anjo – A Face do Mal, cuja falta de mão do editor me deu muita raiva, algo que não me fez julgar mal o livro.

Cyber Brasiliana, de Richard Diegues, pela Tarja Editorial

Eu tinha gostado muito de Cira e o Velho, do Walter Tierno, mas andei relendo esses dias e descobri que ele não é só legal, ou bom, mas que é SENSACIONAL. Acho que me faltava maturidade quando li da primeira vez. Ou seja, é um convidado para o Indicações Fantásticas, e deverá participar do 5º programa (ainda estou sofrendo de falta de câmera para gravação, e não gosto da ideia de entregar um vídeo de webcam para o público. Prefiro esperar e resolver isso).

Poster da Capa da 2ª Edição de Cira e o Velho, de Walter Tierno, pela Giz Editorial

Fuga de Rigel, do Diogo de Souza, está marcao para ser o próximo HÁ MESES, e juro que vai sair ainda esse ano. Vou dar um jeito, prometo. A resenha demonstrou bem a verdade: foi um dos primeiros nacionais que me encantou.

Capa do livro Fuga de Rigel, de Diogo de Souza, pela Editora Isis

Agora, não fiz resenha de um livro fantástico que li, mas não suporto a ideia de não falar dele a vocês. Não, continuarei não fazendo resenha do dito cujo, porque não me acho digna de falar dele. Não tenho capacidade de elogiar em palavras humanas Reino das Névoas – Contos de Fadas para Adultos, da autora Camila Fernandes. Estará no 4º Indicações Fantásticas, e provavelmente estarei mais enfática do que de costume nos vídeos (piadas preparadas, eu sei que sou uma caricatura em pessoa falando). Eu só posso dizer uma coisa: quem comprar esse livro não vai se arrepender. Não existe forma de não gostar dele. Você pode não gostar de conos, de contos de fadas, de coisas que contenham conteúdo adulto, mas VAI GOSTAR desse livro. Simplesmente pue ele pega as suas expectativas e destrói todas elas com um sopro de fada, que é escrita da autora. Nada é de mais e nem de menos. Não tem exagero nem eufemismo. É na medida certa.

Se alguém me apontasse uma arma na cabeça e me dissesse para indicar um livro bom ou eu morreria, e eu não fizesse a menor ideia do que o cara gostasse de ler, ou SE ele gostasse de ler, indicaria Reino das Névoas. Simples assim.

Estou exagerando? Compre o livro, leia e depois conversaremos.

Capa de Reino das Névoas, feita pela própria autora, Camila Fernandes, que também fez as ilustrações internas. Saiu pela Tarja Editorial.

A única hipótese de um ser humano não gostar desse livro é ser um autor frustrado que não sabe escrever sentindo muita inveja.

Última aquisição: Tempos de AlgóriA, de Richard Diegues. Ainda estou na metade, mas estou encantada com a aparente simplicidade. Digo aparente porque é um livro gostoso e fácil de ler, as tramas fazem sentido na sua cabeça, e são tão reais quanto só a boa ficção sabe ser. A intenção do livro é ser um infantil que adultos possam ler de forma diferente e receber mensagens diferentes da que as crianças receberiam. Até onde posso dizer, essa meta está sendo brilhantemente atingida.

E só um profissional muito bom tem a capacidade de fazer parecer simples algo extremamente complexo como criar um mundo – um universo – totalmente diferente, criar identificação do leitor com esse universo, e ainda fazê-lo simples de entender.

Tempos de AlgóriA, de Richard Diegues, pela Tarja Editorial

 

PAUSA PARA REFLEXÃO.

Andei ouvindo/lendo comentários e indiretas de que sou uma puxa-saco. Devo dizer: eu SEMPRE elogio quando o trabalho merece ser elogiado, e elogio com toda a admiração que sou capaz de demonstrar, porque são pouquíssimas as pessoas no mundo inteiro que trabalham bem em suas áreas respectuivas. Se você achou isso absurdo, é porque a verdade dói.

E puxar saco é para quem precisa disso.

 

Cliente de TCC

Como estudante do último ano do curso de Publicidade e Propaganda, o Trabalho de Conclusão de Curso surgiu sobre mim. A proposta do TCC de PP é criar uma campanha completa para cliente real, inclusive com contrato assinado com a faculdade. Como sempre tendi a unir minhas paixões, é ÓBVIO que eu iria escolher uma editora.

Ponderei várias coisas: deveria ser alguém que fizesse trabalho de EDITORA, não de mera tradutora e distribuidora, portanto teria que publicar autores nacionais com frequência em seus catálogos. Seria bom ser de São Paulo, já que precisamos ter contato com o cliente. Precisaria ser de alguém que QUER ajuda – e esta parte dispensa comentários. Deveria ser alguém cujo catálogo aprecio, porque certos princípios éticos me fazem querer promover coisas boas, já que promover coisas ruins só afundaria mais ainda a literatura nacional como um todo.

Então convidei a Tarja Editorial para ser minha cliente de TCC e eles toparam na hora. Estou honrada em trabalhar com eles nesse momento tão importante da minha vida, e quanto mais sei da editora, mais encantada fico. Dentre os livros que já citei no blog, estão no catálogo deles Cyber Brasiliana, Reino das Névoas e Tempos de AlgóriA. Vou ler o catálogo inteiro até o fim do TCC, então não estranhem se eu começar a indicar muitos livros de lá.

Quando é bom eu indico. Quando é ruim vocês nem ouvem dizer que eu li. Essa é minha filosofia atual.

Marketing Literário Digital

Agora é quase óbvio, porque, salvo ações de editoras grandes no metrô (ao menos de SP), o marketing literário brasileiro é quase totalmente digital.

Em parte por causa da pouca verba. As pessoas ficam sob a impressão de que, como a internet é um meio barato é só enfiar qualquer coisa lá e isso vai fazer a obra vender (não só livros, mas músicas e outras produções de conteúdo).

É bom perceber que as grandes campanhas digitais tem uma verba quase tão pesada quando para mídias offline. Campanhas como a da Vivo para o Dia dos Namorados, que gerou um buzz absurdo,  além de ter o apoio da televisão, foi patrocinada no Youtube.

Campanhas como a do Pottermore, nova experiência online da série de JK Rowling, teve um investimento pesadíssimo, tanto na formação do site (inclusive pela parceria com a Sony) quanto na divulgação.E, é claro, coisas assim geram mídia espontânea em veículos offline.

O que isso tudo significa? Que não é pra ficar infeliz se o seu booktrailer feito em moviemaker não atingir 4 milhões de visitas em dois dias.  O fato de existir a possibilidade de ter uma divulgação espontânea em teia na web não quer dizer que isso será uma probabilidade.

Mas então, com pouca ou nenhuma verba é impossível fazer uma campanha de marketing digital?

Eu não disse isso.

Falamos em investimentos mínimos. Todo mundo sabe que o Facebook tem possibilidades de divulgação, que o Twitter permite que várias pessoas cheguem a você e vice-versa, que o Youtube consegue criar fenômenos. Mas você há de convir que, se fosse tão fácil, todo mundo seria genial e fenômeno do enriquecimento rápido.

O que falta? Por que alguns conseguem e outros não?

Pioneirismo é uma coisa boa. Reciclar uma ideia, montar um formato novo, mesmo coisas simples podem gerar curiosidade e, dependendo do conteúdo, causar empatia com o público. Felipe Neto que o diga.

Existem vários outros fatores, mas prefiro me ater àquilo de que sei falar.

Sendo uma área muito nova o marketing em mídias sociais, não podemos falar em “profissionais especialistas”, que é meu discurso preferido. Já que é um acontecimento muito recente, a rigor estamos todos descobrindo as possibilidades das mídias sociais.

A diferença é que um profissional da Publicidade, Propaganda e Marketing já está acostumado a trabalhar essas mudanças e a buscar alternativas nos mais diversos meios. Basta muitas referências, cérebro treinado para associação de ideias e voilà: você tem um especialista em mídias sociais.

Por que estou falando delas?

Porque, para autores iniciantes que não tem muito dinheiro para investir em publicidade, ações em livraria e anúncios em sites, elas são mesmo a melhor opção.

Já escrevi no meu artigo sobre mídias sociais, e naquele sobre marketing literário, e pincelei em vários outros, que temos que tomar muito cuidado para não parecermos muito vendedores 100% do tempo. Ficar dizendo que está na promoção, que é muito bom, tantas pessoas leram e gostaram, causa tédio e, eventualmente, unfollows e desfazer curtir’s.

Tudo isso para dizer que pretendo postar pequenas dicas ao longo do tempo por aqui (e podem servir para músicos, produtores de filme e teatro, fotógrafos e demais produtores de conteúdo).

Uma dica interessante com que cruzei essa semana no trabalho é o “pay with a tweet”, um novo sistema em que a moeda de pagamento é o buzz. O vídeo e a divulgação estão em inglês, mas vale a pena dar uma olhada aqui, se você consegue entender.

Pra resumir, a ferramenta permite você vender conteúdo (use a criatividade: singles de álbuns originais, capítulos promocionais de livros…) pelo preço de um tweet. Qualquer pessoa tweeta, é fácil, nem parece um pagamento. Mas isso gera comentários na rede e permite fazer crescer o conhecimento do seu produto ou serviço.

Mas isso sozinho, será que é suficiente?

<retirei a parte de freelas em marketing, porque não ando tendo muito tempo para isso, mas costumo estar disponível para consultorias>

Princípio de Igualdade – Breves Esclarecimentos

Olha, eu não sou advogada de Constitucional, mas é uma das primeiras coisas que se aprende numa faculdade de Direito e se ouve durante o primeiro semestre inteiro. Ainda amava Fundamentos do Direito Público, que é o precursor de Direito Constitucional (pra quem não sabe, larguei Direito no segundo ano and I don’t regret it).

Eu vejo no Twitter, no Facebook, nas discussões de mesas de bar… sempre a mesma merda: o princípio básico constitucional sendo usado pra justificar as ideias mais estúpidas possíveis.

Qualquer coisinha a pessoa já vira e fala: “Somos todos iguais perante a Lei. Cadê a igualdade?” Não faça isso com você mesm@. Não citem esse direito fundamental pra embasar suas ideias estúpidas e preconceituosas, que surgem no meio das comparações mais absurdas, como, por exemplo, ser contra a Lei Maria da Penha, ser contra os direitos gays…

Explico. O princípio da igualdade começa em “Todos são iguais perante a Lei”, lá no caput do artigo 5º da Constituição Federal. Sabe o que isso quer dizer? Que a Lei deve tornar todas as pessoas iguais, já que elas não são. Isso mesmo. Esse princípio consiste em “tratar os iguais com igualdade e os desiguais com desigualdade, na medida de suas diferenças*”.

Parece difícil?

Por exemplo, a Lei Maria da Penha. Uma mulher não é igual em força física a um homem. Alguém discorda disso? Mas a Lei tem a obrigação de tornar todos iguais. Portanto cria-se uma lei para defender a mulher da violência doméstica, como contrapeso à força física superior masculina.

Ah, agora faz mais sentido.

Outro exemplo, que meu tio citou, numa discussão anos atrás, o princípio da igualdade e me deixou morrendo de vergonha alheia. Olha o naipe: “Se um promotor de Penal pode ter porte de arma, por que eu não posso? A Constituição garante igualdade.” Meu tio é médico. Tipo…. AHN? Na própria pergunta ele já respondeu! Um médico de clínica não sofre o mesmo perigo que um promotor da esfera criminal, correto? Então o promotor pode ter porte de arma.

Existem muitos exemplos mais. Vou encerrar por aqui. Vergonha alheia apitando muito.

Coleguinhas e professores de Direito, sintam-se à vontade pra me corrigir ou completar a explicação nos comentários.

 

*”na medida de suas diferenças” acrescentado em 05/12/12, sob sugestão do leitor Devanil Jr.

Comunicação Digital e Texto Eletrônico

É o nome da matéria pra que fiz prova substitutiva hoje. Profª Dra. (em SEMIÓTICA, PELAMORDEDEUS!) Cândida Almeida. Ela me disse para colocar tirar cópia do texto e postar no blog depois de ler. Disse que daria um bom post. Aí fui obrigada a concordar. Segue na íntegra.

Atualmente a comunicação expandiu-se de tal forma na teia interativa que é uma difícil missão enxergar o horizonte das possibilidades. Cada dia surgem novas formas de comunicar, receber conteúdo e gerar informação.

Os blogs e as mídias sociais são um excelente exemplo de como qualquer internauta pode criar conteúdo, interagir com o de outro. Mesmo grandes portais de informação agora abrem espaço para comentários nas notícias e colunas, como é o caso da versão online da Folha de SP.

Aliás, observando a tendência da expansão do hipertexto, grandes veículos de mídia tradicionais estão migrando parte de seu conteúdo para formatos hipermidiáticos, por exemplo os jornais, revistas de notícias, emissoras de televisão e de rádio, tudo para buscar o internauta. Afinal, não é raro nos dias de hoje, especialmente nos grandes centros urbanos, haver pessoas que ão assistem televisão com frequência, leem notícias no portal da emissora ou jornal. É um conteúdo de fácil acesso: quem está preso no trânsito pode aproveitar para ler no celular. Prestando atenção na tendência das plataformas mobile, vários veículos criaram projetos de hipermídia especiais para este formato.

E, com isso, é claro que o mundo publicitário vem escavando ideias para alcançar o universo internauta.

As mídias sociais possibilitam manter contato com pessoas que de outra forma ficariam perdidas no passado, e conhecer outras de várias partes do mundo, trocar cultura, unir meio planeta para derrubar um governo totalitário na Líbia ou arrecadar ajuda financeira para vítimas de um desastre natural no Japão.

E o que isso tudo quer dizer?

Vimos sofrendo um processo de globalização, que é acelerado e facilitado pelo meio digital. Há aqueles que são contra, por causa da universalização das culturas, reduzindo as culturas locais a quase nada. Por outro lado, a possibilidade de conhecer diferentes traços culturais cria compreensão e, com ela, sensível diminuição de preconceitos.

O mundo inteiro dentro da tela do computador, onde todos podem ter voz, bastando apenas encontrar identificação para ser escutado.

Mídias Sociais e Publicidade

Sério, estou trabalhando com isso. O melhor, comecei a trabalhar com isso por causa da Revista FANTÁSTICA. Alguém inventou de me chamar de ‘musa do Twitter” da FANTÁSTICA, mas, na verdade, sou só a tagarela deles.

Mas o que isso tem a ver? Bom, a maior parte das pessoas acha legal e fácil trabalhar com mídias sociais (Twitter, Facebook, Orkut e bla bla bla, também conhecidas como “redes sociais”, embora o termo não seja adequado). É verdade, é legal e é fácil, dependendo do que você quiser.

O problema é quando você quer se colocar como uma empresa nas mídias sociais, porque, hoje em dia, todos tem consciência de que é preciso marcar presença nelas, mas muitas vezes não sabem como e nem por quê. O porquê é mais fácil de ser respondido, porque é universal. Porque uma empresa tem de se aproximar de seu cliente/ consumidor, saber o que ele está falando, ser acessível. Costumo dizer que nas mídias sociais a empresa desce do Olimpo e atua entre os meros mortais.

É uma brincadeira em relação à imagem austera que temos, por exemplo, de uma montadora de carros.

O como é um probleminha, porque não existe receita de bolo. Depende do público, da natureza do seu nicho mercadológico, entre outros fatores. Ok, fala-se de algumas regrinhas básicas, como não falar pela empresa inteira como se fosse ela, não manifestar opiniões radicais (geralmente pessoais) etc.

Sabe qual é o maior problema mesmo? As mídias sociais funcionam muito como ação institucional, que é, de modo bem simplificado, tornar a marca conhecida e mantê-la com determinada imagem. Não causa aumento de vendas imediato (você pode fazer promoções e aumentar o número de seguidores do seu blog, mas não vai virar uma personalidade influente do dia para a noite).

E as pessoas se sentem atrapalhadas com planos de longo prazo. Mas a imagem é um plano de longo prazo. Por exemplo, vejo perfis de Twitter de um livro. O autor fica, o livro, depois de um tempo, mesmo sendo um best-seller, não. Então, porque o autor não busca fortalecer seu perfil nas mídias sociais e usa blogs promocionais e afins para falar de um livro? O perfil do Twitter é chato porque demora para conseguir seguidores, precisa gerar conteúdo, sempre rápido (aconselho muito a não ficar falando só de vendas e promoções).

O Facebook é a mesma coisa. A empresa deve ter página, e não perfil. Muitas empresas fazem perfis e depois mudam para páginas. Porque páginas foram feitas para a empresa se comunicar com o cliente, e perfis para as pessoas. As páginas tem mais recursos e não tem as mensagens e eventos que podem ser incômodos para uma empresa de médio e grande porte.

E para uma página se tornar conhecida e ter vários fãs também leva algum tempo e muito trabalho. Então você vai criar uma para promover uma música? Use uma para promover a banda, e a música da vez. Use para promover o autor, e não o livro. Ainda que o livro tem uma vida útil como produto bem maior que a de uma música.

E NÃO SER VENDEDOR o tempo todo. Existem formas sutis de vender um produto sem ficar floodando a timeline do seu cliente. A menos que queira levar um unfollow impiedoso. Gerar conteúdo relevante e verdadeiro é a melhor solução. É, é uma regra. Por que as pessoas vão perder tempo seguindo a sua empresa se ela não oferece nada de útil para o dia a dia dela? Informação e entretenimento estão entre as razões mais fortes para alguém acessar a internet, então não é algo a ser subestimado.

Eu poderia escrever mais um quilômetro de texto, mas acho mais fácil quem quiser me mandar dúvidas nos comentários!

Eu realmente AMO esse assunto.

Um Projeto

Tive uma ideia para vlog, que não sei se vai funcionar, e não faço ideia de como vou editar (não sendo eu grande editora de vídeos). Mas é uma ideia que me cativou em algum momento entre ontem à noite e hoje de manhã.

Eu me descobri uma nacionalista. Não uma daquelas que recrimina tudo que é estrangeiro, pelo contrário. Eu gosto muito da cultura inglesa (não pensei nisso como merchan, mas serve), por exemplo, seus autores de literatura de gênero, seus atores impressionantes de teatro.

O meu é aquele tipo de nacionalismo que pensa apenas em amar seu País e fazê-lo melhorar. E existem dois tipos de pessoas em relação a isso: as que debocham de qualquer tentativa de encarar o Brasil de forma positiva (pessoas extremamente medíocres, diga-se de passagem) e as que até querem ajudar a melhorar a nossa imagem para nós mesmos e para fora, mas nem fazem ideia de como é possível.

O terceiro tipo seria aquele que tenta de alguma forma, mesmo que não seja bem sucedido. Os outros dois tipos são os dominantes. Eu mesma me vejo incluída no segundo grupo.

Qual é exatamente a nossa imagem lá fora (e, aliás, aqui dentro)? Um País de gente malandra, que só quer levar vantagem, um povo semialfabetizado, que só faz jogar futebol e sambar e ir à praia. Talvez um povo que fala espanhol e vive entre macacos na floresta (onde também deve haver uma imensa favela cheia de traficantes impiedosos e umas gostosonas do funk carioca).

Se você mora em Minas Gerais ou em Goiás deve achar a história da praia uma piada de mau gosto. Se você é de Curitiba a história das favelas também não parece certa. Se você é de qualquer lugar fora da região Norte do País, nada de floresta, macacos, jacarés ou afins (ta, no Pantanal ainda tem jacarés – ou crocodilos, sinto pela incompetência em discerni-los).

Mas o que estou tentando dizer é que nós nos taxamos de coisas que não somos, nem todos fazemos, nunca quisemos.

Já falei em outras ocasiões sobre a hashtag mais imbecil da história do Twitter – #seharrypotterfossebrasileiro. A ideia é interessante, atê você ler o que a estupidez dos cérebros nacionais puderam pensar: coisas como Hermione teria ficado grávida no 3º ano, Dumbledore seria um político corrupto, Voldemort seria traficante na favela, entre tantas outras coisas.

Engraçado como essas pessoas não gostam de ser mal vistas como brasileiras no exterior, quando elas dão força à má imagem que temos. Se uma mulher vai para fora sozinha e é encarada como puta (no sentido de prostituta mesmo), fica ofendida. Mas não é assim que ela vê suas conterrâneas, e assim que algumas querem ser vistas?

Minha amiga Tayla usou uma expressão interessante: disse que os brasileiros tem um complexo de vira-lata. Sensacional. Tirando o fato de que vira-latas são cachorros muito interessantes, a comparação foi construída para associar nosso complexo de inferioridade.

Somos um país agroexportador, oras! Como isso muda? Lutar para investir em outras áreas, como educação? Mas o que nós, meros civis, fazemos com a história da educação, além de reclamar, tendo uma vaga noção do que se trata?

Tudo isso eu comentei para expor minha ideia de vlog.

Eu pretendo mostrar um outro lado do País. O lado bonito dele, sem falar só das belezas naturais. Falar das pessoas, da parte boa, do que fazemos.

Porque a parte ruim todos já falam, quase como se orgulhassem. Eu sou uma das poucas pessoas que conheço que fala em jogos mmorpgs ou rts que sou brasileira sem a menor vergonha.

Como esperar que os entrangeiros valorizem produtos e serviços brasileiros se nem nós valorizamos?

Só um PS: a partir de hoje acrescentarei um selo às minhas resenhas. Claro, só às resenhas de livros que me deixem boquiaberta. Os livros que não tiverem o selo não necessariamente são ruins. Conta muito o que eu tiver dito na resenha para saber se gostei ou não. Mas é que eu queria muito diferenciar as obras de que gostei muito das que mudaram a minha forma de enxergar as coisas (as que terão o selo).

Resenha de Livros Nacionais

Resenha de Livros Internacionais

 

 

Marketing Literário

Sábado, 19, eu fui cobrir um lançamento duplo para a Editora Estronho com a Tarja Editorial. Coisa linda. Mas a cobertura oficial do evento eu vou soltar só no site da FANTÁSTICA.

Antes do dito evento, porém, aportei no Shopping Metrô Santa Cruz para ir almoçar, que eu cheguei cedo naqueles lados (o lançamento foi no Pier 1327, na Vila Mariana, ou seja, do lado). Eu cheguei cedo demais graças ao colega, Leandro Schulai, mas esta introdução é até meio desnecessária. Depois que almocei, fui para a Saraiva Mega Store, do lado do cinema de lá, para dar uma olhada nas prateleiras, na vitrine etc. Sabem, quando você decide brigar pela literatura nacional, sem, é claro, desmerecer a estrangeira, é bom começar a prestar atenção nas coisas.

A vitrine me deixou até feliz. Apesar os estrangeiros dominarem, um brasileiro tímido apareceu – Dragões de Éter – Caça às Bruxas, do Raphael Draccon.

Vitrine da Saraiva, com o Dragões de Éter figurando lá atrás

Bom, o Dragões de Éter, mesmo tendo alguns defeitos editoriais, como conversei diversas vezes com muita gente, ainda é um livro nacional com uma proposta criativa e uma história envolvente. Para a próxima edição, pode ficar com um texto sensacional, se o editor cuidar dele com carinho. Portanto, ainda fico muito feliz por vê-lo na vitrine misturado a outros best-sellers.

Lá dentro, logo na entrada, ao lado na gôndola dos mais vendidos, estava uma moça vestida de menina do chapeú vermelho, promovendo o livro, entregando aqueles livretinhos que contém o primeiro capítulo da história, mas cuja capa é a miniatura da original.

 

Modelo caracterizada de menina do chapéu vermelho

Livreto Promocional da Garota da Capa Vermelha

 

É interessante, porque chama atenção, mas acredito que o simples fato de um filme estar prestes a estrear fará o livro vender. Foi uma questão de reforçar a imagem do livro. Ou seja, a literatura de gênero continua sendo superprocurada.

Aliás, a prateleira dos mais vendidos só tem literatura de gênero, exceto Augusto Cury, lá no cantinho.

Pra provar:

 

Os Mais Vendidos da Livraria Saraiva

Uma observação: a maioria eram livros de literatura estrangeira, entre os quais figuram Rick Riordan (autor da série Percy Jackson), Becca Fitzpatrick (Hush Hush e sequência), Hugh Laurie (o astro da série House). O nacional A Batalha do Apocalipse, do Eduardo Sphor, é o único brasileiro entre os best-sellers. Orgulhinho nacional? Claro que sim, mas eu ainda gostaria de ver maior participação dos livros nacionais nessa gôndola em especial.

 

Detalhe A Batalha do Apocalipse nos Mais Vendidos da Saraiva

 

 

Claro, a Saraiva também tem as prateleiras de destaque com a plaquinha “Saraiva Indica”, geralmente quem tem grana para investir na promoção de um livro que dá retorno. A série Fallen, da Lauren Kate, é uma dessas:

Saraiva Indica --> Fallen e Tormenta (série)

Peço perdão pela má qualidade das fotos. É que câmera de celular não é milagrosa. Nunca será uma câmera fotográfica de verdade, por mais que queiram insistir.

Bom, tudo isso para falar um pouco de marketing literário. Eu nem sei se essa expressão existe de verdade, e se não existir, acabei de inventá-la para englobar todas as ações que visam à divulgação de um livro, e sua manutenção na mídia e no mercado literário. Futuramente, leva ao marketing do autor da obra.

Tenho observado muito esse meio e feito muitas pesquisas, sendo estas fotos tiradas na Saraiva no sábado apenas uma das minhas muitas visitas a livrarias para observar o que está acontecendo no ponto de venda físico.

A literatura nacional caminha a passos curtos, mas caminha. Quando as pessoas leem um bom livro, tendem a procurar outros do mesmo gênero, do mesmo autor ou autores indicados, então a nossa melhor forma de propaganda ainda é um bom livro bem aceito pelos leitores, como acontece há alguns anos com o André Vianco, aconteceu recentemente com Eduardo Sphor, um pouco com Raphael Draccon, e esperamos que com outros autores.

Uma notícia maravilhosa que tive esses dias foi que a Rocco vai publicar um livro infanto-juvenil de duas autoras nacional de literatura fantástica, a Rosana Rios e a Helena Gomes, que assinam Conexão Magia. Vai para o selo Jovens Leitores da editora.

Capa do livro Conexão Magia

Agora vamos ver como podemos transformar esse livro num best-seller, driblando a cabeça-oca de certos brasileiros antipatriotas sem senso crítico (aqueles que só conseguem falar mal do País e não fazem nada para mudar a fama que ele tem). Conhecendo as autoras, tenho certeza de que o livro será ótimo. Além disso, conhecendo a Rocco, é óbvio que será uma obra de excelente qualidade.

Algo em que tenho passado muito tempo pensando é a promoção de livros nacionais que achei muito bons e que são pouco ou nada conhecidos por aí. É difícil quebrar os preconceitos dos leitores, e a dificuldade de distribuição de editoras pequenas, e meu tempo tem andado um caos definido pela palavra “escassez”. Faço muita coisa o tempo todo, e semestre que vem eu ainda começo a luta do TCC (uma coisa abominável e gigantesca na área de Publicidade, tanto que é em grupo).

Entretanto, vou entrar em contato com alguns autores de que gostei muito para começarmos a trabalhar na promoção de seus livros. Acho que falta apenas isso para alguns, e um trabalho mais forte junto às distribuidoras. Quanto aos que tem uma editora limitada no quesito distribuição, podemos trabalhar vendas online. Já os que tem falhas editoriais (revisão gramatical, coerência na história etc) vão aguardar futuras edições.

Tenho uma boa justificativa pra essa última parte: ajudando a promover bons livros, criamos no nosso povo a cultura de que EXISTE literatura de gênero brasileira de alta qualidade. Se promovermos livros de qualidade editorial ainda ruim, corremos o risco de afundar ainda mais algo que já não é muito aclamado.

Pois vamos à luta.